30 de nov de 2009

AQUILO SEM NOME

Quero provar pão-de-mel salgado
Muito vale o inesperado
O sabor do sem explicação

Quero ver um céu lindo nublado
Num fim de tarde, desesperado
sair rompendo o portão

Quero o cheiro de leito quente
Travesseiro frio não há gente
que suporte, não

Ah, mas como é cômoda essa vida pacata
e não sei direito o que me falta
pra de passarinho virar faizão.

21 de nov de 2009

O que eu quero?

Estava deitado, tentava lembrar de um sonho que não lembrei.Tentava lembrar de coisas que nem sei se tive mesmo , simplesmente sentia que havia tido , mas estava dormindo, e dessa forma como poderia saber se havia mesmo pensado.

Não sei.Só sei que sentia e que sentia com dor por não lembrar.Isso, me causava angústia como se tivesse fome daquilo , como se meu coração fosse parar caso não lembrasse , como se minha vida só fizesse sentido se lembrasse, e ainda que perderia pra mim mesmo se não lembrasse.Havia escondido um segredo a sete chaves de mim mesmo.

E me dei conta.Se eu escondia algo de mim mesmo era por, provavelmente, não me fazer bem, e se não me fazia bem não gastaria o meu tempo procurando em minha memórias, o que havia esquecido, e o que deveria de lembrar.

No final, não sabia se tinha acontecido , não sabia se estava mentindo pra mim, e nem porque estava sentindo.Simplesmente levantei e o dia começou.Depois esquecerei de tudo, nem valerá a pena tentar lembrar,ou quem sabe posso puramente lembrar por fim, ou não.

A verdade é que não se sabe.