7 de set de 2009



To pensando em como as relações "amorosas" nos dias em que vivo são passageiras e como um só quer do outro aquilo que lhe convém e interessa. Essa é a lógica capitalista: o lucro. Depois que o negócio nao te serve mais, adeus! Joga-se fora, compra-se um novo. E assim os relacionamentos passam a ser descartáveis. Acredito que isso seja também produto das revoluções do século XX, principalmente. Uma coisa meio amor livre. Vai se culpar a quem quando uma relação não te satisfaz mais? Será que tem que trocar mesmo? Talvez o que falte seja a paciência (porque nao se tem mais tempo e se quer resultados instântaneos) de construir um lugar-comum entre duas pessoas. De se criar uma amizade, um entedimento, um compreender as razões, um conhecer de perto aquele com quem se partilha. Não sei se tem volta. Talvez aproveitar o que cada um tem de melhor a oferecer nao seja lá tão ruim mas que tem seus ônus, tem. Sempre tem.